Bancos e Justiça farão mutirão para destravar acordo da poupança

A adesão de poupadores ao acordo para receber perdas ocorridas nas cadernetas na implantação dos planos econômicos Bresser, Verão e Collor 2 poderá ser realizada de forma presencial. A alternativa foi apresentada pela AGU (Advocacia-Geral da União) para superar dificuldades encontradas na adesão pelo site pagamentodapoupanca.com.br, única opção disponível até agora.

A plataforma tem apresentado falhas técnicas, como dificuldade para reconhecer documentos inseridos no sistema pelos usuários e para confirmar, por email, a adesão do poupador ao acordo.

Os empecilhos para a aceitação do acordo pela internet podem explicar o baixo número de inscrições realizadas. Desde a abertura do site ao público, em 22 de maio, cerca de 86 mil cidadãos aderiram à proposta. Estima-se que 1 milhão de poupadores possam fazer o acordo. A partir da segunda quinzena de outubro, mutirões realizados em parceria entre bancos e tribunais farão o atendimento de poupadores cuja documentação necessária está completa, segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos). O primeiro ocorrerá em São Paulo.

Nos mutirões, os termos propostos para adesão serão os mesmos do acordo a que o poupador tem acesso na plataforma digital. Pela regra do site, o próprio poupador é quem adere, mas para finalizar o contrato, é necessária a assinatura do advogado.

Podem solicitar o pagamento todos os que ingressaram com ações contra os bancos até o ano de 2016. Detalhes sobre regras e locais de atendimento ao público deverão ser apresentados no dia 9 de outubro, quando a AGU receberá em Brasília representantes das partes envolvidas no acordo.

A Febraban reforçou que o site continua em funcionamento e que trabalha para corrigir as falhas. A Febrapo (Frente Brasileira pelos Poupadores) afirmou cobrar melhorias no sistema desenvolvido pelos bancos.

Neste momento, podem fazer a adesão pelo site os poupadores com idades entre 70 e 74 anos.
O calendário vai até 18 de março do ano que vem, quando poupadores de quaisquer idades poderão participar. No entanto, o prazo para a aceitação é de até dois anos.

Todos os que aderirem estão automaticamente desistindo do processo. Quem não quiser fechar o acordo não é obrigado a fazê-lo. (Folha de São Paulo)