Trabalhador usará FGTS para pagar conta, carro e faculdade

A grana do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) que será liberada a partir de setembro pode ser considerada um leve respiro de alívio para o bolso de muitos brasileiros.

Pelas regras, os trabalhadores poderão sacar até R$ 500 de saldo em cada conta vinculada, seja ela ativa ou inativa. A medida, usada para aquecer a economia através do estímulo ao consumo, prevê injetar, até 2020, R$ 42 bilhões. Segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens), o percentual de famílias endividadas cresceu pelo sétimo mês seguido em julho, chegando a 64%.

É o caso da auxiliar administrativa Luciana Simão, 47 anos. Ela está com as contas de água e luz em atraso e pretende usar o valor a ser liberado para pagar parte das dívidas. “Dividi a conta da Sabesp, de R$ 400, em duas vezes. Este mês, só a luz ficou em R$ 286. O FGTS vai ser usado nestas despesas”, afirma a trabalhadora.

Márcio Wu, professor de finanças da Fecap, explica que liquidar as dívidas deve ser a prioridade de quem terá a “ajudinha” do FGTS. “É preciso por na ponta do lápis quais são as contas mais emergenciais. Lembrando que, no caso do cartão de crédito e do cheque especial, as multas por atraso são sempre altas.”

O instrutor de treinamento e estudante de engenharia José Paulo Cavalcanti, 26, vai usar o dinheiro para ajudar a pagar a mensalidade da faculdade. “Tenho duas contas inativas, vou sacar uns R$ 1.000. Foi um bônus que veio em boa hora”, comemora ele.

Já o assistente administrativo Wilson Nascimento, 30, diz que vai aproveitar a grana para pagar uma prestação do carro financiado. “Faltam seis parcelas, vai dar uma ajudada boa”, diz.

Para o professor de finanças, se o dinheiro, que é um extra, vai ser usado para quitar despesas mensais, é preciso rever o orçamento.“Provavelmente está acontecendo um desequilíbrio. Organize-se e comece cortando os supérfluos.”

Já para quem não tem dívidas, mas ainda não sabe o que fazer com o valor, o professor aconselha a investir.“

O rendimento do FGTS vai superar o da poupança, mas é melhor sacar o dinheiro para fazer outros investimentos, mais rentáveis. Sem falar que há um prazo para o saque.

Aplicando o dinheiro, você consegue resgatá-lo em curto ou médio prazo. Já o FGTS, se não sacado no período, vai ficar preso lá”, afirma. (Agora São Paulo)